DIABETES E ADOÇANTES: OS MELHORES SUBSTITUTOS DO AÇÚCAR

diabetes e adoçantes

Diabetes e adoçantes | Adoçantes artificiais | Usar ou não adoçantes artificiais | Porque são ruins | Classificação |  Álcoois de açúcar | Alternativas |  Estévia  | Tagatose | Outras opções  |  Visão geral | Recomendações | Fontes

Diabetes e adoçantes: o que são adoçantes artificiais?

Os adoçantes artificiais são substâncias químicas sintéticas que estimulam os receptores de sabor doce na língua. Eles são frequentemente chamados de adoçantes de baixa caloria ou não nutritivos.

 

Os adoçantes artificiais conferem às coisas um sabor adocicado, sem nenhuma adição de calorias.

 

Portanto, eles são frequentemente adicionados a alimentos que são comercializados como “alimentos saudáveis” ou produtos dietéticos.

 

Eles são encontrados em todos os lugares, desde refrigerantes diet e sobremesas a refeições e bolos de micro-ondas. Você os encontrará até em itens não alimentares, como chicletes e pasta de dente.

 

Aqui está uma lista dos adoçantes artificiais mais comuns:

  • Aspartame
  • Sacarina
  • Acessulfame de Potássio
  • Neotame
  • Sucralose

 

Diabetes e adoçantes:  você deve usar adoçantes artificiais?

Com uma baixa ou nenhuma contagem de açúcares calóricos, os adoçantes artificiais podem parecer um tratamento para pessoas com diabetes. Mas pesquisas recentes indicam que os adoçantes artificiais podem, na verdade, ser contra intuitivos, especialmente se você quiser gerenciar ou prevenir a diabetes.

 

De fato, o aumento do consumo desses substitutos do açúcar pode se correlacionar com o aumento dos casos de obesidade e diabetes.

 

Os adoçantes artificiais foram declarados seguros pelos órgãos reguladores dos EUA e da Europa.

 

No entanto, eles também observaram que as alegações de saúde e as preocupações de segurança a longo prazo exigem mais pesquisas.

 

Embora os adoçantes artificiais possam não ser “saudáveis”, eles são, no mínimo, significativamente “menos ruins” que o açúcar refinado.

 

No entanto, se você estiver preocupado com seus efeitos, então você pode usar outros adoçantes naturais ou apenas remover os adoçantes por completo.

 

Diabetes e adoçantes: Por que os adoçantes artificiais são ruins para pessoas com diabetes?

Alguns adoçantes artificiais dizem “sem açúcar” ou “amigo do diabético”, mas pesquisas sugerem que esses açúcares realmente têm o efeito contrário.

 

Seu corpo responde a adoçantes artificiais de forma diferente do que ao açúcar comum. O açúcar artificial pode interferir no gosto percebido pelo seu corpo. Isso pode confundir o seu cérebro, que irá enviar sinais dizendo-lhe para comer mais, especialmente mais alimentos doces.

 

Adoçantes artificiais ainda podem aumentar seus níveis de glicose

Um estudo descobriu que esses açúcares, como a sacarina, podem alterar a composição de bactérias do intestino. Essa alteração pode causar intolerância à glicose, que é o primeiro passo para a síndrome metabólica e diabetes em adultos.

 

Para as pessoas que não desenvolvem intolerância à glicose, os adoçantes artificiais podem ajudar na perda de peso ou no controle da diabetes. Mas mudar para essa substituição de açúcar ainda requer cuidados de longo prazo e consumo controlado.

 

Adoçantes artificiais também podem contribuir para o ganho de peso

Obesidade e excesso de peso são  alguns dos principais fatores de predisposição à diabetes. Embora os adoçantes artificiais sejam fontes confiáveis, isso não significa que eles sejam saudáveis.

 

Marketing de produtos alimentícios pode levar você a pensar que os adoçantes artificiais não calóricos ajudam na perda de peso, mas estudos mostram o contrário.

 

Isso é porque os adoçantes artificiais:

  • podem elevar a desejo por doces, excessos e ganho de peso
  • alteram as bactérias do intestino, o que é importante para o controle de peso

 

Para as pessoas com diabetes que procuram controlar seu peso ou consumo de açúcar, os adoçantes artificiais podem não ser um bom substituto.

 

Estar com sobrepeso ou obeso também pode aumentar seus fatores de risco para vários outros problemas de saúde, como pressão alta, dor no corpo e derrame.

 

Diabetes e adoçantes: classificação de segurança para adoçantes artificiais

O Centro para a Ciência no Interesse Público atualmente considera que os adoçantes artificiais são um produto para “evitar”. Evitar significa que o produto é inseguro ou mal testado e não vale a pena arriscar.

 

Diabetes e adoçantes: e quanto a álcoois de açúcar?

Álcoois de açúcar são naturalmente encontrados em plantas e frutos silvestres. Os tipos mais utilizados na indústria alimentícia são sinteticamente criados. Você pode encontrá-los em produtos alimentícios rotulados como “sem açúcar” ou “sem adição de açúcar”.

 

Etiquetas como essa são enganosas porque os álcoois de açúcar ainda são carboidratos. Eles ainda podem aumentar o açúcar no sangue, mas não tanto quanto o açúcar comum.

 

Os álcoois de açúcar mais comuns são:

  • eritritol
  • xilitol
  • sorbitol
  • lactitol
  • isomalte
  • maltitol
banner 3 passos para controlar a diabetes
Clique para saber mais

Diabetes e adoçantes: Eritritol

O eritritol é outro adoçante de baixa caloria.

 

É um álcool de açúcar encontrado naturalmente em certas frutas. No entanto, o eritritol em pó disponível para compra é feito através de um processo industrial.

 

Ele contém 0,24 calorias por grama, ou cerca de 6% das calorias em uma quantidade igual de açúcar, com 70% da doçura.

 

O eritritol não aumenta os níveis de açúcar no sangue ou de insulina e não tem efeito sobre os lipídios no sangue, como o colesterol ou os triglicerídeos.

 

É absorvido pelo corpo a partir do intestino, mas eventualmente é excretado pelos rins.

 

Estudos mostram que o eritritol é muito seguro. No entanto, como acontece com outros álcoois de açúcar, pode causar problemas digestivos se você consumir muito de uma vez.

 

O eritritol tem um gosto muito semelhante ao açúcar, embora possa ter um leve sabor residual.

 

Embora o eritritol não pareça ter nenhum benefício para a saúde, ele certamente não parece ser prejudicial de forma alguma e é mais bem tolerado do que a maioria dos outros álcoois de açúcar.

 

Diabetes e adoçantes: Xilitol

O xilitol é um álcool de açúcar com uma doçura semelhante ao açúcar.

 

Contém 2,4 calorias por grama, ou cerca de dois terços do valor calórico do açúcar.

 

O xilitol parece ter alguns benefícios para a saúde dental, reduzindo o risco de cáries e cárie dentária.

 

Pode também melhorar a densidade óssea, ajudando a prevenir a osteoporose.

 

O xilitol não aumenta os níveis de açúcar no sangue ou insulina. No entanto, como acontece com outros álcoois de açúcar, pode causar efeitos colaterais digestivos quando ingerido em altas doses.

 

Se você tem um cachorro em casa, deve manter o xilitol fora de seu alcance, uma vez que é altamente tóxico para os cães.

 

Diabetes e adoçantes: diferente dos adoçantes artificiais

Os álcoois de açúcar são frequentemente sintéticos, semelhantes aos adoçantes artificiais. Mas essas duas classificações de alternativas de açúcar não são as mesmas. Álcoois de açúcar são diferentes porque eles:

  • podem ser metabolizados sem insulina
  • são menos doces que adoçantes artificiais e açúcar
  • podem ser parcialmente digeridos no intestino
  • não têm o sabor de adoçantes artificiais

 

Uma pesquisa sugere que os álcoois de açúcar podem ser um substituto suficiente para o açúcar. Mas os relatórios também dizem que ele não terá um papel significativo na perda de peso. Você deve tratar álcoois de açúcar da mesma forma que o açúcar e limitar sua ingestão.

 

Álcoois de açúcar também são conhecidos por produzir efeitos colaterais como gases, inchaço e desconforto abdominal. No entanto, o eritritol geralmente é mais bem tolerado, se você estiver preocupado com esses efeitos colaterais.

 

Diabetes e adoçantes: alternativas

A boa notícia é que existem alternativas de açúcar que você pode escolher, incluindo:

 

  • stevia ou estévia
  • tagatose, comercialmente conhecida como nutralose
  • açúcar de coco

 

Você ainda precisará acompanhar a sua ingestão para o controle da glicose, mas essas opções são muito melhores do que os produtos comercializados como “sem açúcar”.

 

Diabetes e adoçantes: o que é estévia?

A estévia é um adoçante de baixa caloria que possui propriedades antioxidantes e antidiabéticas.

 

Ao contrário de adoçantes artificiais e açúcar, a estévia pode suprimir seus níveis de glicose no plasma e aumentar significativamente a tolerância à glicose. Também não é um adoçante artificial, tecnicamente falando. Isso é porque é feito das folhas da planta da Stevia rebaudiana.

 

A estévia também tem a capacidade de:

  • aumentar a produção de insulina
  • aumentar o efeito da insulina nas membranas celulares
  • estabilizar os níveis de açúcar no sangue
  • agir contra a mecânica da diabetes tipo 2 e suas complicações

 

Enquanto estévia é natural, as marcas comercializadas geralmente são altamente processadas e podem conter outros ingredientes. Por exemplo, o Truvia passa por 40 etapas de processamento antes de estar pronto para ser vendido. Também contém o álcool de açúcar chamado eritritol.

 

Pesquisas futuras podem lançar mais luz sobre o impacto do consumo desses adoçantes de estévia processados.

 

A melhor maneira de consumir estévia é cultivar a planta e usar as folhas inteiras para adoçar os alimentos.

 

A estévia é um adoçante de baixa caloria muito popular e foi cultivada para fins medicinais e doces durante séculos na América do Sul.

 

Diabetes e adoçantes: compostos da estévia

Vários compostos doces são encontrados nas folhas de estévia. Os principais são esteviosídeo e rebaudiosídeo A. Ambos são centenas de vezes mais doces que o açúcar, grama por grama.

 

Portanto, a estévia é muito doce, mas praticamente não tem calorias.

 

Além disso, alguns estudos baseados em humanos sugerem que a estévia tem benefícios para a saúde:

 

  • A estévia pode reduzir a pressão alta em pessoas com hipertensão em 6–14%. No entanto, não tem efeito sobre a pressão arterial que é normal ou levemente elevada.
  • A estévia também mostrou reduzir os níveis de açúcar no sangue em pessoas com diabetes.
  • Vários estudos em ratos mostram que a estévia pode melhorar a sensibilidade à insulina, reduzir o colesterol LDL oxidado e reduzir o acúmulo de placa nas artérias.

 

Se você precisa adoçar algo, a estévia pode ser sua escolha mais saudável.

 

No entanto, muitas pessoas não gostam muito do sabor da estévia. O sabor depende da marca, então você pode precisar experimentar algumas para encontrar um tipo de estévia que você goste mais.

banner 3 passos para controlar a diabetes
Clique para saber mais

Diabetes e adoçantes: o que é tagatose?

A tagatose é outro açúcar natural que os pesquisadores estão estudando.

Estudos preliminares mostram que a tagatose:

  • pode ser um medicamento antidiabético e antiobesidade em potencial
  • pode diminuir o açúcar no sangue e a resposta à insulina
  • interfere na absorção de carboidratos

 

Uma revisão de estudos de 2018 concluiu que a tagatose é “promissora como um adoçante sem maiores efeitos adversos observados”.

 

Mas a tagatose precisa de mais estudos para respostas mais definitivas.

 

Converse com seu médico antes de experimentar novos adoçantes, como a tagatose.

 

Diabetes e adoçantes: quais são algumas outras opções doces?

Açúcar de coco é uma alternativa que está ganhando popularidade, porém é bastante caro para os padrões médios nacionais.

 

Você também pode subtrair fibras do total de carboidratos que consome, se estiver contando carboidratos para o planejamento das refeições. Isso lhe dará os carboidratos líquidos consumidos. Quanto mais fibroso for um alimento, menor o impacto que ele terá no seu nível de açúcar no sangue.

 

Visão geral

Estudos recentes indicam que os adoçantes artificiais não são uma das mais saudáveis alternativas ​​ao açúcar. Na verdade, eles podem aumentar o risco de uma pessoa ter diabetes, intolerância à glicose e ganho de peso.

 

Os álcoois de açúcar são uma alternativa, porém podem ter efeitos colaterais e não produzem nenhum efeito positivo significativo no organismo, como outros adoçantes naturais.

 

Se você está procurando uma alternativa mais saudável, tente estévia. Com base em pesquisas até o momento, esse adoçante alternativo é uma de suas melhores opções. É conhecida por suas propriedades antidiabéticas e capacidade de estabilizar os níveis de açúcar no sangue.

 

No entanto, você ainda deve limitar sua ingestão total de açúcar ao  mudar para substitutos do açúcar.

 

Quanto mais você consome qualquer tipo de adoçante adicionado, mais seu paladar é exposto a sabores doces. Uma pesquisa mostra que a comida que você prefere e deseja é a comida que você come com mais frequência.

 

Você terá um maior benefício para controlar seus desejos de açúcar e sua diabetes quando reduzir todas as formas de adição de açúcar.

 

Recomendações

Para controle da diabetes através de uma alimentação saudável, dieta recomendada, receitas, livros gratuitos e outras publicações indicadas para diabéticos visite Produtos Recomendados neste site. Para saber mais, clique aqui.

 

Fontes

 

banner 3 passos para controlar a diabetes
Clique para saber mais!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *