DIABETES E COVID-19: NÃO É A DIABETES QUE MATA QUEM CONTRAI COVID. SAIBA POR QUÊ!

diabetes e covid

Diabetes e Covid | O Estudo | Conclusões | Leve com você | Recomendações | Fonte

Caso não queira ou não consiga ler este conteúdo, ele também pode ser ouvido em nosso site. Para isso clique aqui, ou vá para http://podcast.controledadiabetes.com.br/diabetes-e-covid-19

Todos nós, diabéticos, estamos, ou deveríamos estar alertas questão da COVID-19, especialmente pelo fato que desde o início dos relatos e estudos desta “praga” do século XXI, há relatos de elevado nível de óbitos de diabéticos, entre outros portadores de doenças crônicas, faixas etárias, etc.

 

Um estudo feito com mais de 11 mil pacientes (11.312 para ser exato) na Espanha, patrocinado pela Federação Espanhola de Medicina, mostrou uma variação importante nesta afirmação (que por ser portador de diabetes correria um maior risco de complicações ou óbito). Veja os resultados.

 

Diabetes e Covid: o estudo

Este foi um estudo realizado em várias localidades envolvendo pacientes hospitalizados na Espanha.

 

Os pacientes foram classificados em três grupos de acordo com os níveis de glicose na admissão:

  1. Glicemia <140 mg / dL
  2. Glicemia 140–180 mg / dL
  3. Glicemia 180 mg / dL.

 

Todos os pacientes estudados vieram a óbito, por diversas causas.

 

Dos 11.312 pacientes, apenas 2.128 (18,9%) tinham diabetes.

 

As taxas de mortalidade hospitalar foram:

  1. 15,7% (<140 mg / dL)
  2. 33,7% (140-180 mg)
  3. 41,1% (> 180 mg / dL)

 

A probabilidade cumulativa de mortalidade foi significativamente maior em pacientes com hiperglicemia em comparação com pacientes com normoglicemia(glicemia normal), independentemente de diabetes pré-existente.

 

Hiperglicemia (após ajuste para idade, diabetes, hipertensão e outros fatores) foi um fator de risco independente para a  mortalidade.

 

A hiperglicemia também foi associada à necessidade de ventilação mecânica, admissão à unidade de terapia intensiva (UTI) e mortalidade.

Diabetes e Covid: conclusões

A hiperglicemia na admissão é um forte indicador de mortalidade por todas as causas em pacientes com COVID-19 não criticamente hospitalizados, independentemente de histórico prévio de diabetes.

 

Ou seja, glicemia alta na admissão é um fator de risco independente e forte para mortalidade no COVID-19.

 

Diabetes e Covid: leve com você

A maioria de nós já ouviu inúmeras vezes que glicose alta no sangue produz efeitos em praticamente todo o organismo. Onde há sangue, há riscos: olhos, rins, vasos sanguíneos, pés, mãos, pele são apenas os mais comuns. E outro fator que a glicemia descontrolada provoca, reconhecidamente, é a queda de efetividade do sistema imunológico.

 

Pois bem, note-se que independentemente de ter-se ou não diagnóstico de diabetes, o simples fato de se ter a  glicemia descontrolada foi comprovadamente detectado como um forte indicador de complicações para o tratamento da COVID-19, provavelmente pela queda de efetividade do sistema imunológico.

 

Então, como se já não tivéssemos todos os motivos do mundo para controlarmos a glicemia, some-se mais este, urgente e crítico neste momento.

 

Então, irmãos e irmãs desta caminhada sem fim, façamos o nosso melhor, pois a alternativa é realmente para lá de ruim.

 

Recomendações

Para controle da diabetes através de uma alimentação saudável, dieta recomendada, receitas, livros gratuitos e outras publicações indicadas para diabéticos visite Produtos Recomendados neste site. Para saber mais, clique aqui.

 

Fonte:

[su_accordion class=””] [su_spoiler title=”Clique aqui para visualizar as fontes” open=”no” style=”default” icon=”plus-circle” anchor=”” class=””]

[/su_spoiler] [/su_accordion]

DIABETES E COVID-19: NÃO É A DIABETES QUE MATA QUEM CONTRAI COVID. SAIBA POR QUÊ!
3 passos para controlar a diabetes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *