Diabetes e inflamações | Alimentos a serem evitados | O que é inflamação | Como ela afeta a saúde | Alimentos recomendados | Dietas anti-inflamatórias | Vitaminas recomendadas | 15 alimentos recomendados | Leve com você | Recomendações | Fontes

Diabetes e inflamações: caso não queira ou não consiga ler este conteúdo, ele também pode ser ouvido em nosso site. Para isso clique aqui, ou use o tocador abaixo.

A inflamação crônica pode acontecer com certas doenças crônicas, como diabetes tipo 2, obesidade e artrite reumatoide, entre outras, isso sem falar na COVID-19 que causa infecção generalizada.

 

As pessoas com essas doenças podem ter níveis mais elevados de marcadores inflamatórios em seus corpos. Embora muitos fatores estejam envolvidos na inflamação, certos alimentos podem aumentar ou diminuir os sintomas.

 

Este artigo analisa os alimentos que podem piorar os sintomas, e os alimentos e vitaminas que podem ajudar no seu processo de recuperação. Ele também discute a inflamação e seus efeitos na saúde. Por fim, analisa os alimentos anti-inflamatórios, incluindo vegetais e frutas, e as dietas anti-inflamatórias, como a DASH e as dietas mediterrâneas.

 

Esperamos que o ajude. Paz e saúde!

 

Diabetes e inflamações: alimentos que causam inflamação

Muitos alimentos podem piorar os sintomas de inflamação. Esses alimentos incluem açúcar, gorduras trans, carboidratos refinados e carnes vermelhas ou processadas, os quais usualmente devem ser evitados ou restringidos na dieta usual dos diabéticos.

 

Açúcar

Uma dieta rica em açúcar pode afetar a inflamação crônica, aumentando os marcadores inflamatórios no sangue, de acordo com uma revisão de estudos de 2018.

 

Além disso, o consumo excessivo de açúcar pode aumentar os marcadores inflamatórios em crianças e levar à inflamação crônica. O estudo comparou uma redução diária de açúcar de 46% com uma redução de 11% dos marcadores pró-inflamatórios em 11 crianças. Os pesquisadores sugerem que uma redução na quantidade de bebidas adoçadas com açúcar consumidas durante a infância pode resultar em benefícios futuros para a saúde.

 

Outro artigo sugere que a frutose pode causar inflamação celular. O excesso de frutose também pode aumentar a gordura ao redor dos órgãos abdominais e aumentar a quantidade de gordura no fígado.

 

A frutose, presente no xarope de milho por exemplo, faz parte de um grande número de alimentos industrializados, como pães, bolos, biscoitos, snacks, e tantos outros. Verificar os rótulos dos alimentos, ou seja, o conteúdo nutricional e evitar alimentos ricos em frutose pode ajudar bastante.

 

Um estudo de 2014 mostrou que as pessoas que reduziram a ingestão de bebidas adoçadas com açúcar tinham fatores de inflamação mais baixos no sangue. Essas descobertas apoiam a teoria de que o consumo de açúcar pode causar inflamação.

 

Os pesquisadores tentaram determinar como o açúcar causa inflamação. Ele estimula a produção de ácidos graxos livres no fígado. Quando o corpo digere esses ácidos graxos livres, os compostos resultantes podem desencadear processos inflamatórios.

 

Diferentes tipos de açúcar podem contribuir mais ou menos para a inflamação. Por exemplo, algumas pesquisas sugeriram que a frutose pode causar mais inflamação do que a glicose.

 

A inflamação crônica em adultos de mais idade também pode estar associada a um maior risco de morte.

 

Gorduras Trans

As gorduras trans podem aumentar os marcadores inflamatórios e o risco de inflamação crônica, que pode levar a doenças como diabetes e doenças cardiovasculares. As gorduras trans também podem aumentar os níveis de lipoproteínas de baixa densidade (LDL) enquanto reduzem as lipoproteínas de alta densidade (HDL), uma combinação que pode aumentar o risco de doenças cardíacas.

 

Embora a carne bovina e os laticínios contenham pequenas quantidades de gorduras trans que ocorrem naturalmente, a maioria das gorduras trans de nossa dieta se apresenta quando os fabricantes adicionam hidrogênio ao óleo vegetal. As gorduras trans podem aparecer nos rótulos como óleo hidrogenado e podem estar em alimentos processados, produtos de panificação, alimentos fritos e margarina.

 

Ácidos graxos ômega 6

O corpo precisa de uma certa quantidade de ácidos graxos ômega 6 para um crescimento e desenvolvimento saudáveis. No entanto, quantidades excessivas de ácidos graxos ômega 6 podem fazer com que o corpo crie produtos químicos pró-inflamatórios.

 

A maionese e os molhos para salada geralmente contêm ácidos graxos ômega-6. Alguns óleos, como óleo de milho, cártamo, girassol e amendoim, também podem conter a substância.

banner 3 passos para controlar a diabetes
3 passos para controlar a diabetes

 

Carboidratos refinados

Os carboidratos refinados têm um alto índice glicêmico, que pode aumentar um tipo de proteína chamada de produtos de glicação avançada (AGE), que pode aumentar a inflamação.

 

Os carboidratos refinados incluem produtos de farinha branca, como:

  • pão branco e pãezinhos
  • alguns biscoitos
  • arroz branco
  • alguns cereais

 

Carne vermelha e processada

Carnes vermelhas e processadas são ricas em gorduras saturadas, que pode causar inflamação no tecido adiposo (gorduras).

 

Um estudo de 2016 sugere que a carne vermelha e processada está associada a uma resposta inflamatória aumentada no corpo e pode aumentar o risco de câncer de cólon.

 

Diabetes e inflamações: o que é inflamação?

Existem dois tipos principais de inflamações: aguda e crônica.

 

A inflamação aguda é uma resposta rápida do corpo a uma lesão ou infecção, que aumenta o fluxo sanguíneo na área afetada. Os glóbulos brancos ajudam a reconstruir o tecido danificado e a inflamação aguda geralmente cessa quando a ferida cicatriza.

 

A inflamação crônica é uma condição de longo prazo que pode se desenvolver gradualmente ao longo de meses e anos. As causas da inflamação crônica podem incluir:

  • uma infecção prolongada
  • exposição a produtos químicos tóxicos
  • doenças autoimunes
  • distúrbios auto inflamatórios
  • casos repetitivos de inflamação aguda
  • estresse oxidativo no corpo

 

Os fatores de risco Fontes confiáveis ​​para inflamação crônica incluem:

  • idoso
  • obesidade
  • fumar
  • baixos níveis de testosterona e estrogênio
  • estresse físico e emocional
  • distúrbios do sono

 

Alimentos processados, gorduras saturadas, gorduras trans e açúcar refinado podem aumentar o risco de moléculas pró-inflamatórias. Isso pode estar especialmente presente no caso de uma pessoa acima do peso ou se tiver diabetes.

 

Diabetes e inflamações:  como a inflamação pode afetar a saúde?

De acordo com o Instituto Nacional do Câncer, a inflamação pode criar danos no DNA que podem levar ao câncer. A inflamação crônica também está ligada a doenças inflamatórias intestinais, como colite ulcerativa e doença de Crohn, que podem aumentar o risco de câncer de cólon.

 

A inflamação está comumente presente em pessoas com doença cardíaca e acidente vascular cerebral e pode ter uma ligação com a formação de placas nas artérias.

 

A inflamação crônica pode continuar por meses ou anos. Ele tem ou pode estar relacionado a várias doenças, como:

  • diabetes
  • doença renal crônica
  • doença hepática gordurosa não alcoólica
  • doenças autoimunes, como lúpus
  • condições neurodegenerativas, como doença de Alzheimer
  • artrite e condições articulares
  • alergias e asma
  • doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC)
  • doença cardiovascular (DCV)
  • alergias
  • psoríase
  • artrite reumatoide

 

Os sintomas dependem da doença, mas podem incluir dor e fadiga.

banner 3 passos para controlar a diabetes
3 passos para controlar a diabetes

 

Diabetes e inflamações:  alimentos e dietas anti-inflamatórias

A inflamação geralmente faz parte do processo de cura do corpo e também pode ajudar a combater doenças. No entanto, se uma pessoa apresentar inflamação de baixo nível recorrente ou persistente, alguns alimentos e dietas podem ajudar a reduzir os sintomas.

 

Alimentos

Embora os alimentos ricos em açúcar ou alimentos processados ​​possam piorar a inflamação, um regime alimentar saudável baseado em alimentos frescos, como vegetais e frutas, pode ajudar a reduzir os sintomas.

 

Os alimentos que podem ter efeitos anti-inflamatórios incluem:

  • Frutas e vegetais: muitas frutas e vegetais, como frutas vermelhas, maçãs e vegetais crucíferos, são ricos em antioxidantes e polifenóis que podem ter efeitos anti-inflamatórios.
  • Fibras: o aumento da fibra dietética pode ajudar a diminuir certas citocinas inflamatórias.
  • Peixes oleosos: Certos peixes oleosos contêm ácidos graxos ômega-3, que podem ajudar a reduzir os níveis de proteínas inflamatórias do corpo.
  • Nozes: algumas nozes e sementes podem ajudar a reduzir o risco de doenças cardiovasculares e diabetes.
  • Cúrcuma: pode ajudar a melhorar as condições inflamatórias de saúde.

 

Diabetes e inflamações:  dietas

Além de um regime alimentar saudável, algumas pessoas podem descobrir que dietas específicas têm um efeito especialmente benéfico sobre inflamações.

 

Dieta Mediterrânea

A dieta mediterrânea pode ter um forte efeito anti-inflamatório, protegendo o corpo contra os sintomas de doenças crônicas, como câncer, diabetes e síndrome metabólica.

 

A dieta também pode ajudar a diminuir os sintomas e reduzir os efeitos da inflamação no sistema cardiovascular.

 

A dieta mediterrânea inclui especialmente:

  • alta ingestão de alimentos vegetais, incluindo frutas, vegetais, nozes, sementes, leguminosas e azeite
  • ingestão moderada de peixes, frutos do mar, iogurte, queijo e leite
  • baixo consumo de carne vermelha e processada
  • baixa ingestão de alimentos ricos em açúcar

 

Dieta DASH

Outra dieta que pode ajudar a reduzir os sintomas de inflamação é chamada DASH (Abordagens Dietéticas para Parar a Hipertensão). A pesquisa sobre a dieta para controlar a pressão arterial foi financiada pelo Instituto Nacional da Saúde (NIH).

 

Uma revisão de 2017 de pesquisas que analisaram os efeitos da DASH, descobriram que ela melhorou os biomarcadores inflamatórios circulantes em adultos e pode ajudar a reduzir a inflamação no corpo.

 

A dieta DASH limita a ingestão de gorduras saturadas e gorduras trans, bebidas açucaradas, doces e sal. Ele se concentra no consumo dos seguintes alimentos:

  • vegetais e frutas
  • grãos inteiros
  • produtos lácteos sem gordura ou com baixo teor de gordura
  • aves
  • peixe
  • feijão e nozes
  • óleos vegetais

 

Diabetes e inflamações:  vitaminas podem ajudar com inflamações

Uma pesquisa de 2018 apontou para certas vitaminas com propriedades anti-inflamatórias podem ser consumidas na forma de suplementos e também através da ingestão de alimentos que contenham naturalmente essas vitaminas.

 

São elas:

 

Diabetes e inflamações: vitamina A

Estudos descobriram que a vitamina A pode impedir que o sistema imunológico atue excessivamente e cause inflamação, o que costuma ocorrer na diabetes, por exemplo.

 

A vitamina A está disponível em duas formas: o betacaroteno é uma pró-vitamina A que converte a vitamina A presente no corpo, sendo ela um antioxidante que protege o corpo contra radicais livres. Dietas ricas em betacaroteno e vitamina A podem ajudar a reduzir a inflamação.

 

Os alimentos ricos em vitamina A incluem cenoura, couve, acelga, espinafre e uma grande variedade de vegetais folhosos.

 

Diabetes e inflamações: vitaminas B

Pessoas com baixo teor de vitamina B6 geralmente apresentam níveis elevados de proteína C reativa, outro composto responsável por inflamações, especialmente em doenças autoimunes, como a artrite reumatoide.

 

Para reduzir a inflamação e aumentar a vitamina B6, experimente consumir alimentos ricos em vitaminas B, incluindo couve, pimentão e cogumelo, melão, atum e aves.

 

Um estudo descobriu que mesmo doses baixas de ácido fólico (também conhecido como folato, outra vitamina B), através da suplementação diária e por curtos períodos pode reduzir as inflamações.

 

As fontes alimentares de folato incluem feijão-fradinho, folhas verdes escuras, aspargos e fígado.

 

Diabetes e inflamações: vitamina C

A vitamina C é conhecida por ajudar a manter o sistema imunológico saudável e em bom funcionamento. Além disso, uma pesquisa demostra que a vitamina C pode remover radicais livres responsáveis ​​por inflamações.

 

A vitamina C, assim como as vitaminas B, também pode ajudar a reduzir a proteína C reativa. Os suplementos são úteis, mas é sempre melhor tentar obter vitamina C de sua dieta.

 

Para obter mais vitamina C na sua dieta, coma uma variedade de frutas e vegetais, que também são carregados com antioxidantes e que podem melhorar a saúde e, potencialmente, reduzir o risco de doenças cardíacas e câncer.  Dentre aqueles, ressaltamos acerola, mamão, laranja, limão, melão, brócolis, morangos, pimentão (vermelho ou verde), couve, e tomate.

banner 3 passos para controlar a diabetes
3 passos para controlar a diabetes

 

Vitamina D

De acordo com um relatório da Pesquisa de Nutrição e Saúde, aproximadamente 40% das pessoas têm deficiência de vitamina D. Estudos estabeleceram há muito tempo uma conexão entre o baixo teor de vitamina D e uma variedade de doenças inflamatórias. Além disso, os pesquisadores sabem que melhorar a vitamina D pode ajudar a reduzir a inflamação no corpo.

 

Outro relatório do Jornal de Imunologia sugere que eventos moleculares e de sinalização específicos são responsáveis ​​pela capacidade da vitamina D de inibir as inflamações.

 

Pessoas com baixos níveis de vitamina D podem definitivamente se beneficiar da suplementação de vitamina D.

 

A vitamina D é naturalmente obtida a partir da exposição ao sol, mas nem todos podem obter toda a vitamina D necessária a partir dele. Qualquer pessoa que suspeite que seus níveis de vitamina D estão baixos deve conversar com seu médico sobre exames e suplementação.

 

As melhores fontes alimentares de vitamina D são peixes, gemas de ovo, carnes orgânicas e alimentos suplementados com vitamina D, incluindo leite.

 

Diabetes e inflamações: vitamina E

A vitamina E é outra vitamina antioxidante, o que significa que pode reduzir inflamações. Os resultados de uma meta-análise relatada no Jornal Europeu de Nutrição Clínica confirmam que a vitamina E tem propriedades anti-inflamatórias e a suplementação pode ser útil para pessoas que convivem com doenças inflamatórias.

 

A vitamina E é encontrada naturalmente em nozes e sementes, incluindo amêndoas e sementes de girassol. Muitas frutas e vegetais também são ricos em vitamina E, incluindo o abacate e o espinafre.

 

Diabetes e inflamações: vitamina K

Um relatório no Jornal do Metabolismo descobriu que a vitamina K pode reduzir os marcadores inflamatórios e ajudar na coagulação do sangue e proteger a saúde óssea. Embora a vitamina K seja necessária para a saúde óssea, a maioria das pessoas não obtém o suficiente em suas dietas.

 

Homens adultos devem tentar ingerir 120 microgramas (mcg) por dia de vitamina K, enquanto as mulheres devem consumir 90 microgramas.

 

Existem dois tipos de vitamina K: Vitamina K1 e K2. A vitamina K1 é encontrada em vegetais folhosos, incluindo couve, espinafre, brócolis e repolho, enquanto K2 é encontrada em frango, fígado e ovos.

 

Diabetes e inflamações: 15 alimentos anti-inflamatórios que você deve consumir

Seguir uma dieta anti-inflamatória é uma forma de combater algumas das inflamações crônicas decorrentes de um estilo de vida não tão saudável. Se você quer seguir o caminho da alimentação saudável, experimente esses 15 alimentos, todos nutritivos e que se encaixam perfeitamente em uma dieta anti-inflamatória.

banner 3 passos para controlar a diabetes
3 passos para controlar a diabetes

 

Amêndoas

As amêndoas são uma excelente fonte de gorduras monoinsaturadas (semelhantes ao azeite), vitamina E e manganês. Eles também são uma boa fonte de magnésio e proteína vegetal. Em pesquisas descobriu-se que comer amêndoas está associado a um risco menor de doenças cardiovasculares, provavelmente por melhorar o perfil de ácidos graxos do sangue.

 

As amêndoas também provocam muita saciedade, então, embora tenham um pouco mais de calorias do que muitos outros alimentos anti-inflamatórios, comer um punhado de amêndoas pode ajudá-lo a seguir um programa de perda de peso saudável.

 

Abacate

Os abacates são ricos em gorduras monoinsaturadas saudáveis ​​para o coração, além de serem uma excelente fonte de magnésio, fibra e potássio, embora tenham baixo teor de sódio. Comer meio abacate também irá adicionar à sua ingestão diária as vitaminas C, A, E e vitaminas do complexo B.

 

A combinação desses nutrientes e os polifenóis que atuam como antioxidantes tornam o abacate um item obrigatório em qualquer dieta anti-inflamatória. Adicione fatias de abacate, por exemplo, à sua salada favorita ou faça um saboroso abacate macerado com limão.

 

Diabetes e inflamações: brócolis

O brócolis é membro da família crucífera dos vegetais ricos em fitoquímicos chamados glucosinolatos. Esses fitoquímicos são antioxidantes poderosos. O brócolis também é uma excelente fonte de vitamina C, potássio, cálcio e vitamina A, embora tenha poucas calorias.

 

É fácil incluir mais brócolis em sua dieta porque é saboroso tanto cozido, como cru.

 

Estudos epidemiológicos mostram que consumir uma dieta rica em vegetais crucíferos, incluindo brócolis, está associado a um risco menor de certos tipos de câncer.

 

Outros vegetais da mesma família incluem o repolho, a couve, o nabo, e a mostarda.

 

Frutas vermelhas

As frutas vermelhas contêm quantidades significativas de polifenóis que desencadeiam a atividade antioxidante e que podem ajudar a prevenir o câncer e doenças cardiovasculares. Esses fitoquímicos, incluem flavonoides, antocianidinas, ácidos fenólicos e taninos, que previnem e reparam o dano celular causado pelos radicais livres.

 

Estudos de laboratório mostram que os produtos químicos nestes frutos também podem prevenir o câncer, desacelerando o crescimento das células, reduzindo as inflamações. Eles também têm poucas calorias e contêm vitamina C, E e fibras. E também são absolutamente deliciosos!

 

Cenouras

As cenouras contêm betacaroteno, que o organismo converte em vitamina A, que é essencial para sua saúde, e é um poderoso antioxidante por si só. As cenouras também contêm zeaxantina e luteína, que também estão relacionadas à vitamina A. Comer uma dieta rica nesses antioxidantes pode ajudar a reduzir o risco de câncer, evitando danos às células saudáveis ​​do corpo.

 

Como as cenouras têm poucas calorias e são uma boa fonte de fibras, elas também podem ajudá-lo a perder peso, se necessário – importante porque a obesidade é um fator de risco para doenças cardiovasculares, diabetes e algumas formas de câncer.

 

Diabetes e inflamações:  feijões

Feijões, como feijão-roxo, feijão-frade e feijão preto, são uma excelente fonte anti-inflamatória de proteínas vegetais, minerais, vitaminas do complexo B e vitamina K. Eles também estão repletos de fibras benéficas, e contêm polifenóis que funcionam como antioxidantes.

 

Como o feijão é rico em proteínas, ele é perfeito para refeições sem carne que podem ser uma opção, mesmo que você não seja vegetariano.

 

Uma pesquisa sugere que o feijão pode trazer benefícios à saúde e ajudar a prevenir alguns tipos de doenças cardíacas, diabetes, pressão alta, além de reduzir inflamações.

 

Couve

Couve é uma excelente fonte de vitaminas A, C e K, e uma boa fonte de cálcio, ferro, magnésio, potássio e vitamina C, embora seja baixa em sódio. Também tem poucas calorias e contém um pouco de fibra.

 

A couve tem compostos chamados glucosinolatos que podem ajudar a prevenir o câncer, além de luteína e zeaxantina, que estão relacionados à vitamina A e podem ajudar a diminuir o risco de desenvolver catarata e degeneração macular. Além disso, a luteína pode ajudar a prevenir a aterosclerose.

 

Adicione couve a uma salada ou coma pedações de couve frita como um lanche, ou simplesmente refogada. Todas as opções são válidas.

 

Diabetes e inflamações: Azeite

O azeite é um componente essencial da dieta mediterrânea, que tem sido associado à saúde do coração e à longevidade. É rico em gorduras monoinsaturadas que são boas para os seus vasos sanguíneos e tem polifenóis que funcionam como antioxidantes para proteger as células do seu corpo.

 

O azeite de oliva ajuda a reduzir a inflamação, reduz o colesterol alto e é possível que alguns dos polifenóis ajudem a prevenir algumas formas de câncer, sendo uma opção muito boa para adicionar à sua cozinha. Nem sempre é o melhor para cozinhar, mas é perfeito para molhos de salada e para acompanhar vegetais.

 

Laranjas

As laranjas são uma excelente fonte de vitamina C e potássio e também contêm fibras, cálcio e folato. A fibra e o folato nas laranjas podem ajudar a manter o coração saudável, e a vitamina C é essencial para o funcionamento do sistema imunológico, tecido conjuntivo forte e vasos sanguíneos saudáveis.

 

Laranjas inteiras (e não o suco) são excelentes suplementos para uma dieta anti-inflamatória de diabético. As laranjas podem ser um excelente lanche da tarde e podem ser adicionadas a uma variedade de pratos e saladas.

 

Diabetes e inflamações: salmão

O salmão contém quantidades significativas de ácidos graxos ômega-3 – mais do que qualquer outro tipo de peixe ou marisco. Estudos sugerem que pessoas que ingerem mais esses ácidos graxos podem ter menos probabilidade de ter olhos secos, e também é bom para o coração porque as gorduras saudáveis ​​ajudam a reduzir a inflamação e a manter o colesterol sob controle.

 

A Associação Americana do Coração sugere que se coma peixes gordurosos pelo menos duas vezes por semana por causa dos benéficos ômega-3. Porém o que   torna o salmão ainda melhor é que ele também é uma boa fonte de um antioxidante chamado astaxantina, um poderoso antioxidante, cerca de 10 vezes mais eficaz que outros carotenoides.

 

Outros animais marinhos e peixes gordurosos saudáveis incluem a cavala, atum, sardinha, mexilhões, anchovas, peixe espada, cavalas e trutas.

banner 3 passos para controlar a diabetes
3 passos para controlar a diabetes

 

Espinafre

O espinafre é um dos mais conhecidos de todos os superalimentos anti-inflamatórios. Ele contém luteína, que está relacionada à vitamina A e ao betacaroteno. O espinafre também fornece ferro, vitamina K e ácido fólico, e é tem poucas calorias, sendo indicado para dietas de perda de peso.

 

Uma pesquisa demostra que as pessoas que comem vegetais de folhas verdes, como o espinafre, podem ter um risco reduzido de degeneração macular (retina do olho).

 

Diabetes e inflamações: morangos

Morangos são deliciosos, suculentos e doces – e para torná-los ainda melhor, eles também são benéficos à saúde. Morangos têm poucas calorias, são ricos em fibras e contêm várias vitaminas e minerais necessárias para o organismo, incluindo muita vitamina C. Eles também têm propriedades anti-inflamatórias e muitos outros benefícios potenciais para a saúde.

 

Quase todas as frutas vermelhas são boas porque os pigmentos que lhes dão a cor característica também contêm antioxidantes que podem ajudar a reduzir a inflamação.

 

Outras frutas vermelhas incluem uvas, acerola, amora, jabuticaba, cereja e framboesa, entre outras.

 

Diabetes e inflamações:  batata doce

A batata-doce é rica em vitaminas e minerais. Como a maioria dos vegetais de sua cor, ela é muito rica em vitamina A e em betacaroteno, que é um poderoso antioxidante. A batata-doce também é uma excelente fonte de muitas vitaminas e minerais, incluindo vitaminas C e K, potássio e vitaminas do complexo B.

 

A batata-doce também tem muitas fibras e contém poucas calorias, sendo uma boa adição a qualquer dieta. Uma batata-doce assada pequena é perfeita como acompanhamento, por exemplo.

 

Diabetes e inflamações: acelga

A acelga um vegetal verde folhoso a ser adicionado à sua lista de compras de anti-inflamatórios. É uma excelente fonte de vitaminas A e K, sendo uma boa fonte de vários minerais com poucas calorias.

 

Uma pesquisa aponta que a acelga tem flavonoides que atuam como antioxidantes e reduzem as inflamações. Logo é uma adição natural ao seu cardápio.

 

Nozes

As nozes são uma excelente fonte de gorduras saudáveis, proteínas, vitamina E, minerais e fitoquímicos chamados esteróis. Elas contêm também ácidos graxos monoinsaturados e ácidos graxos ômega-3, que são bons para o coração.

As nozes também são densas em energia, então é necessário prestar atenção ao tamanho da porção, mas, mesmo que sejam ricas em calorias, comer um pouco de nozes pode ajudá-lo a se sentir saciado por mais tempo.

 

Leve com você

A inflamação normalmente faz parte do processo de cura do corpo, mas algumas condições médicas têm um efeito prejudicial no sistema imunológico, causando inflamações de baixo nível persistentes ou crônicas.

 

Alguns alimentos, como frutas e vegetais frescos, grãos inteiros, peixes oleosos, nozes, leguminosas e azeite podem ajudar a aliviar os sintomas de inflamação. Além disso, algumas dietas anti-inflamatórias também podem reduzir ou prevenir a inflamação.

 

Ao adicionar alimentos saudáveis à sua dieta, eles podem ajudar a melhorar sua saúde geral, facilitar o controle de um peso saudável e evitarem ou diminuírem as inflamações.

 

Uma dieta rica em alimentos anti-inflamatórios também pode ajudar a prevenir a ocorrência de certos problemas de saúde que ocorrem com a idade. Apenas certifique-se de consumir seus alimentos anti-inflamatórios usando os melhores métodos de preparo de comida e culinária.

 

As vitaminas que combatem a inflamação podem ser adquiridas de uma variedade de fontes alimentares, incluindo vegetais, frutas, carnes magras e peixes, e alimentos enriquecidos com vitaminas.

 

Mesmo na forma de suplementos, as vitaminas podem reduzir as inflamações sem efeitos colaterais graves e são uma opção viável para medicamentos anti-inflamatórios não esteroides ou medicamentos anti-inflamatórios de prescrição.

 

Certifique-se de falar com seu médico antes de iniciar qualquer suplemento vitamínico. Também é importante observar que os suplementos vitamínicos não substituem os medicamentos.

 

Esperamos ter ajudado. Paz e saúde!

 

Recomendações

Para controle da diabetes através de uma alimentação saudável, dieta recomendada, receitas, livros gratuitos e outras publicações indicadas para diabéticos visite Produtos Recomendados neste site. Para saber mais, clique aqui.

Fontes:

banner 3 passos para controlar a diabetes
3 passos para controlar a diabetes

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *