DIABETES E SEU MÉDICO: VAI CONSULTAR? ENTÃO FAÇA VALER À PENA!

DIABETES E SEU MÉDICO: VAI CONSULTAR? ENTÃO FAÇA VALER À PENA!

Diabetes e seu médico: ouvir | Seus dados | No dia da consulta | As informações | Perguntas frequentes | Glossário | Leve com você | Recomendações | Fontes

 

Diabetes e seu médico: escutar artigo!

Se preferir ouvir, use o player abaixo. Caso contrário, basta seguir lendo o artigo:

Diabetes e seu médico: seus dados

Não importa se você controla a sua glicemia anotando os resultados em um pedaço de papel ou em uma planilha eletrônica ou salvando em seu telefone, leve os seus números e mostre ao seu médico. Se o seu glicosímetro (monitor de glicose no sangue) armazena as leituras na memória, você também pode levá-lo para sua consulta.

 

Se você medir e registrar sua pressão arterial em casa, o que é recomendado para diabéticos, certifique-se de levar também esses registros.

 

Leve também uma lista atualizada e precisa de todos os medicamentos que você está tomando atualmente para qualquer condição de saúde – não apenas para diabetes. Isso inclui inclusive medicamentos de venda livre, suplementos, chás, e remédios à base de ervas. Uma lista atualizada é especialmente importante se você consultar vários médicos que prescrevem medicamentos para você (se tiver dificuldades ou dúvidas para gerar uma lista, então leve os frascos de medicamentos reais para sua consulta).

 

Anote também suas últimas vacinas e outros exames, para que seu médico possa ter certeza de que você está sendo avaliado adequadamente.

 

Diabetes e seu médico:  o dia da sua consulta

Use roupas que facilitem o exame (a menos que seja uma consulta online, é claro). Isso significa usar uma roupa que você possa remover ou uma com mangas soltas que você possa enrolar facilmente. Exame dos pés é uma parte importante da visita porque a diabetes pode causar problemas nos pés. Certifique-se de que pode remover facilmente as meias e os sapatos. 

 

Para uma consulta, você pode se alimentar normalmente. Porém, para a maioria dos exames laboratoriais relacionados à glicemia, o jejum pela manhã deve ser observado.  Veja que a hemoglobina glicada ou o A1C e a maioria dos testes de colesterol não serão afetados pelo que você come no café da manhã. Mas os níveis de glicose no sangue e triglicerídeos aumentam logo depois que você come. No entanto, pode ser inseguro o jejum se você estiver tomando certos medicamentos. Neste caso, no dia dos exames leve com você algum alimento, como frutas ou algo com alto índice glicêmico para a eventualidade de uma hipoglicemia matutina.

 

Se você tem um cuidador que está envolvido em seus cuidados de saúde, ter essa pessoa com você para a consulta pode ser útil. Neste caso peça que sejam anotadas todas as indicações do seu médico, pois pode ser difícil lembrar de tudo o que seu médico diz.

 

Anote também as informações relevantes sobre a sua saúde em geral:  medidas de pressão arterial, eventos de hipo ou hiperglicemia, dores, cansaços, ausência ou excesso de sono ou sede, entre outras, são informações relevantes, pois podem auxiliar no diagnóstico de estágio da doença e especialmente no tratamento indicado.

 

Traga uma lista de perguntas que deseja fazer ao médico. Às vezes é fácil esquecer o que você queria perguntar.

 

Diabetes e seu médico:  o que compartilhar com seu médico

Seu médico vai indicar um tratamento, com ou sem medicamentos, que melhor se adequa para os seus “números”, ou seja, com os resultados de seus exames.  Mas mesmo um médico não vai saber como seu corpo vai reagir exatamente a um determinado tratamento ou medicamento, e na maior parte das vezes é um processo de tentativa e erro a fim de verificar qual o tratamento que irá produzir o melhor resultado para o seu caso.

 

Porém, quanto mais informações ele tiver, mais adequadas serão as suas indicações. Então, seja honesto e sempre diga a verdade e apresente o maior número de informações relevantes que dispuser, mesmo que sejam constrangedoras. Tem dificuldades de urinar? Suas fezes andam “estranhas”?

Sente alguma dor diferente? O sexo anda “difícil”? Não omita nada, pois a diabetes é uma doença que pode afetar praticamente qualquer parte do seu organismo, e seu tratamento que pode ser complexo e/ou amplo.

 

Apresente um relato honesto de sua rotina diária ao tomar seus medicamentos para diabetes e de sua alimentação, e sobre como você está lidando com isso. Eles precisam saber por que isso afetará o plano de tratamento. Por exemplo, se os números de glicose no sangue estiverem muito altos e você não estiver tomando um determinado medicamento, seu médico precisa saber sobre os desafios a serem enfrentados. É melhor, a longo prazo, simplesmente dizer a verdade, mesmo que seja constrangedora. Ou como diz o ditado, “é melhor ficar vermelho uma vez, do que amarelo o resto da vida”.

 

Fale sobre seu histórico com medicamentos em geral. Saber quais medicamentos funcionaram e não funcionaram no passado ajudará seu médico a descobrir as melhores opções para hoje.

 

Seus hábitos alimentares. Você está tendo problemas para obter alimentos nutritivos que não aumentem a glicose no sangue? Isso ajudará seu médico a entender como seus medicamentos estão funcionando. Eles podem dar sugestões ou encaminhá-lo para um nutricionista se for o caso.

 

Seus exercícios. Quão ativo você é no dia a dia? Você tem um ambiente adequado para se exercitar? O exercício pode ser tão importante quanto qualquer medicamento, portanto, informe o seu médico se você tiver problemas.

 

Quaisquer problemas de saúde ou doenças recentes que eles possam não conhecer.

 

Não seja tímido – seu médico é seu aliado de saúde e pode ajudar com mais do que você imagina.

 

Seja honesto sobre suas dificuldades. Cada pessoa tem uma experiência diferente com a diabetes. Os médicos não saberão o que você está passando, a menos que você diga.

 

Informe-se sobre as complicações da diabetes. Se a diabetes não for controlada, pode causar problemas nos olhos, rins, coração, pele, nervos, … Seu médico deve certificar-se de que você entende seus riscos e que está fazendo tudo o que pode.

 

Medicamentos. Pergunte ao seu médico se você está recebendo o melhor tratamento. Preciso mesmo deste medicamento? Há alguma outra coisa que eu possa fazer? Quais são os efeitos colaterais potenciais? Estou tomando os melhores medicamentos para diabetes para mim? E se houver reações, o que devo fazer?

 

O custo de vários medicamentos, ou mesmo de uma consulta, é alto para muitas pessoas. Se você estiver tendo problemas para pagar por seus medicamentos para diabetes, informe seu médico. Existem medicamentos gratuitos em programas federais, estaduais e mesmo em alguns municípios, ou seu médico pode receitar alternativas mais econômicas, ou você pode apelar à justiça para obtê-los. Enfim, há algumas alternativas que podem e devem ser exploradas, já que os efeitos adversos poderão ser muito mais caros, tanto em custo, quanto em sofrimento.

 

Adicione-se que um medicamento de uso contínuo, além do custo financeiro, e de não curar, usualmente têm efeitos colaterais, muitas vezes sequer estudados. As bulas dão uma amostra da enormidade de possíveis efeitos que podem acontecer com você. E mais, com o tempo esses medicamentos podem ter sua ação reduzida, e novos medicamentos ou doses serão necessárias. Então, nossa melhor recomendação, é de que, antes de simplesmente tratar somente as consequências imediatas da diabetes, como aumento da glicemia, você tente, o melhor possível, a ter hábitos saudáveis e consistentes. Cuide da sua alimentação o melhor possível, faça os exercícios que estiverem ao seu alcance, e claro, o que não puder ser resolvido desta forma, que seja tratado por medicamentos, mas que eles não sejam necessariamente a primeira (e mais fácil) opção. O seu eu do futuro agradecerá! 

 

É comum sentir-se sobrecarregado ao viver com uma condição crônica como a diabetes. Embora muito do seu tempo e energia sejam concentrados na saúde física, não negligencie sua saúde mental. Converse com seu médico se você estiver sentindo ansiedade ou depressão.

 

Diabetes e seu médico:  perguntas frequentes

Abaixo estão as perguntas que já deveriam ter sido respondidas para você. Certifique-se de entender tudo a seguir e adicione à sua lista de perguntas para o seu médico se houver alguma coisa sobre a qual você não tenha certeza.

 

1. O que significa hemoglobina glicada ou A1C?

Hemoglobina glicada ou A1C é um exame de sangue que fornece informações sobre a média de glicose no sangue nos últimos 3 meses. Outros nomes para A1C incluem hemoglobina A1C, hemoglobina glicada ou glicolisada, HbA1C ou glicohemoglobina. (A glicose em sua corrente sanguínea se liga a uma proteína chamada hemoglobina.) A1C mede a porcentagem de moléculas de hemoglobina que possuem glicose ligada a elas. É por isso que o resultado é relatado como uma porcentagem, como 6,8 por cento. Quanto mais altos os níveis de glicose no sangue nos últimos 3 meses, maior será o seu A1C.

 

Você pode fazer este teste a qualquer hora do dia, mesmo logo depois de comer, porque seu nível de glicose no sangue no momento do teste não terá um efeito significativo sobre a A1C. Alguns consultórios médicos são capazes de medir A1C com uma picada no dedo em vez de tirar sangue de uma veia. Certas condições médicas além da diabetes podem afetar seu A1C, como estresse, inflamações, etc. Converse com seu médico para ver se você tem alguma dessas condições.

2. Por que A1C é importante?

É fácil para pacientes e médicos se concentrarem em A1C sem falar sobre porque isso é importante. Quanto mais alto o A1C, maior o risco de ter certas complicações da diabetes nos olhos, rins e nervos:

 

  • Olhos: a retinopatia é uma doença da retina. A retina é uma camada fina na parte de trás dos olhos que detecta a luz. A retinopatia grave e não tratada pode reduzir sua visão e até causar cegueira.

 

  • Rins: a nefropatia é uma doença dos rins. Os sinais incluem níveis elevados de proteína na urina e acúmulo de produtos residuais no sangue. A nefropatia grave pode causar insuficiência renal, que deve ser tratada com diálise ou transplante renal.

 

  • Nervos: a neuropatia periférica é uma doença dos nervos dos pés ou das mãos. Os sintomas incluem formigamento, “alfinetes e agulhas”, dormência e dor.

 

A boa notícia é que manter a glicose no sangue sob controle diminuirá o risco de se ter essas complicações.

 

3. Quando devo verificar minha glicemia em casa?

Isso depende da sua situação individual. Algumas pessoas com diabetes precisam verificar a glicemia várias vezes ao dia, enquanto outras precisam verificar apenas uma vez ao dia ou com menos frequência.

 

Se você estiver verificando a glicose no sangue em casa, determinados horários para verificação fornecem as informações mais úteis. Verificar a glicose no sangue logo antes do café da manhã (ou seja, em jejum) é uma medida diária útil de como sua diabetes está sendo controlada.

 

Pessoas que tomam certos tipos de insulina podem precisar verificar a glicemia antes de cada refeição. Outro bom momento para verificar é 1 e 2 horas após uma refeição, pois você conhecerá o pico de sua glicemia na primeira hora e o nível de restabelecimento à normalidade em 2 horas. Esse número informa como seu corpo está respondendo e processando o aumento da glicose no sangue que ocorre após a alimentação. Verificar a glicose no sangue na hora de dormir também é comum.

 

Por último, se você se sentir doente, é uma boa ideia verificar a glicemia. Às vezes, os sintomas podem ser causados ​​por níveis de glicose muito baixos ou altos. No entanto, também pode funcionar na outra direção. Uma doença subjacente pode fazer com que a glicose no sangue aumente.

 

4. Qual deve ser o meu A1C e a glicose no sangue?

Quando as pessoas tratam a diabetes com medicamentos, os médicos não procuram necessariamente valores de A1C ou glicose no sangue “normais”, dependendo do caso. Para muitas pessoas com diabetes, uma meta de A1C de menos de 5.7% é apropriada, para outras pode ser difícil de obter. O fato é que a meta será a menor possível, considerando o quadro geral e o seu esforço em se alimentar e exercitar-se e os efeitos dele nos seus resultados.

 

Para leituras caseiras de glicose no sangue, as faixas saudáveis ​​são de 80 a 100 mg / dL antes das refeições e até 140 mg / dL se medidos 1 a 2 horas após as refeições. No entanto, alguns adultos mais velhos e pessoas com doenças crônicas estão propensos aos efeitos colaterais dos medicamentos para diabetes se a dose for muito alta. Nessas situações, os médicos podem recomendar faixas-alvo mais altas para A1C e glicose no sangue.

 

5. Que outros exames devo fazer?

O melhor cuidado para a diabetes não se concentra apenas nos níveis de glicose. Vários testes são recomendados para monitorar as complicações do diabetes.

 

Isso inclui exames oftalmológicos, cardíacos, exames de pés e testes de laboratório para proteínas da urina, colesterol e função renal. Medir e tratar a pressão arterial também é fundamental, porque a combinação de diabetes e pressão alta aumenta o risco de ataque cardíaco, derrame ou doença renal.

 

Diabetes e seu médico: Glossário

O exame de hemoglobina glicada pode ser feito a qualquer hora do dia, mesmo logo depois de comer, porque seu nível de glicose no sangue no momento do teste não terá um efeito significativo sobre a A1C. Alguns laboratórios são capazes de medir A1C com uma picada no dedo em vez de tirar sangue de uma veia. Certas condições médicas além da diabetes podem afetar seu A1C. Converse com seu médico para ver se você tem alguma dessas condições.

 

A retinopatia é uma doença da retina. A retinopatia grave e não tratada pode reduzir sua visão e até causar cegueira.

 

A nefropatia é uma doença dos rins. Os sinais incluem níveis elevados de proteína na urina e acúmulo de produtos residuais no sangue. A nefropatia grave pode causar insuficiência renal, que deve ser tratada com diálise ou transplante renal.

 

neuropatia periférica é uma doença dos nervos dos pés ou das mãos. Os sintomas incluem formigamento, “alfinetes e agulhas”, dormência e dor.

DIABETES E SEU MÉDICO: VAI CONSULTAR? ENTÃO FAÇA VALER À PENA!
3 passos para controlar a diabetes

Diabetes e seu médico:  Leve com você

A primeira linha de tratamento da diabetes é a informação, e o seu médico é a melhor fonte da qual você pode obter as necessárias informações para o seu caso específico.

Porém para ter um diagnóstico e mais ainda, um tratamento adequado, é preciso apresentar ao seu médico o maior número de informações disponíveis.

Anote seus dados, apresente ao seu médico, tire todas as suas dúvidas sobre seu estado atual e tratamentos possíveis, e acima de tudo, siga as orientações médicas, especialmente tendo hábitos mais saudáveis, pois desta forma sua glicemia e especialmente os efeitos da diabetes poderão ser controlados adequadamente. Paz e saúde!

 

Recomendações

Para controle da diabetes através de uma alimentação saudável, dieta recomendada, receitas, livros gratuitos e outras publicações indicadas para diabéticos visite Produtos Recomendados neste site. Para saber mais, clique aqui.

 

Fontes:

[su_accordion class=””] [su_spoiler title=”Clique aqui para visualizar as fontes” open=”no” style=”default” icon=”plus-circle” anchor=”” class=””]

[/su_spoiler] [/su_accordion]

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *