DIABETES: TRATAMENTO

diabetes tratamento e fisiopatologia

Medicamentos | Tratamentos menos comuns | Exercícios | Dieta | Visão Geral

Diabetes é um distúrbio crônico em que o corpo não produz ou não usa insulina de forma eficaz. Não é curável para a maioria das pessoas, mas os tratamentos incluem medicação, ajustes no estilo de vida e tratamento das várias complicações da diabetes.

 

O principal objetivo do tratamento da diabetes é devolver o nível de açúcar no sangue a um patamar seguro e reduzir o risco de complicações enquanto ajuda uma pessoa com diabetes a retomar a normalidade diária.

 

Diabetes: tratamento através de medicamentos

A principal medicação para o controle da diabetes tipo 1 é a insulina.

 

Insulina

Tomar insulina nos momentos certos do dia pode melhorar a qualidade de vida de uma pessoa com diabetes.

Pessoas com diabetes tipo 1 devem tomar insulina, pois o pâncreas de uma pessoa com o tipo 1 não produz o hormônio. A insulina suplementar ajuda as células do corpo a absorver glicose e usar energia.

 

Uma pessoa com diabetes tipo 1 precisará receber insulina várias vezes ao longo do dia. Algumas doses de insulina ocorrerão antes ou depois de uma refeição. Com diabetes tipo 2, a insulina nem sempre é necessária.

 

No entanto, um médico pode recomendá-la em determinados momentos, como durante a gravidez ou durante uma internação prolongada.

 

Métodos de aplicação

 

O monitoramento pode ajudar um indivíduo a decidir quando tomar insulina.

 

A insulina tem vários métodos de aplicações diferentes. Os métodos mais comuns incluem o seguinte.

 

  • Bomba de insulina: fornece pequenas doses contínuas de insulina ao longo do dia.
  • Agulha e seringa: um indivíduo extrai fluido de insulina de um frasco e injeta. A localização mais eficaz é na barriga, mas uma pessoa também pode administrar as injeções no braço, nas nádegas ou na coxa.
  • Algumas pessoas precisam de várias doses para devolver a glicemia ao nível ideal. Outros podem exigir apenas uma dose.
  • Caneta: Algumas canetas de insulina são descartáveis, enquanto outras oferecem espaço para um cartucho de insulina substituível. Elas são mais caras do que as agulhas, mas mais fáceis de usar e se assemelham a uma caneta com uma agulha na ponta.

Menos comumente, as pessoas podem usar os seguintes métodos para administrar insulina:

 

  • Inalador: Alguns tipos de insulina podem ser respiradas como um pó de um inalador. A insulina inalada pode atingir o sangue mais rapidamente que outros tipos. No entanto, é adequado apenas para adultos com diabetes tipo 1 ou tipo 2.
  • Injetor de jato: Este método fornece uma pulverização fina e de alta pressão na pele, em vez de uma injeção de agulha.
  • Porta de injeção: contém um tubo curto que é inserido logo abaixo da pele. A insulina é injetada nesta porta porta com uma caneta ou agulha e seringa. Uma porta de injeção evita perfurar a pele todos os dias.

 

Medicamentos para diabetes tipo 2

Uma pessoa com diabetes tipo 1 sempre precisará de insulina.

 

No entanto, juntamente com medidas de estilo de vida, como uma dieta balanceada e com baixo teor de açúcar e exercícios regulares, uma pessoa com diabetes tipo 2 pode controlar o açúcar no sangue de outras formas.

 

A metformina é um medicamento chave para o tipo 2.  É administrada em forma de pílula ou como líquido. Ela ajuda a reduzir o açúcar no sangue e a tornar a insulina mais eficaz, além de ajudar na perda de peso, o que também pode reduzir os efeitos da diabetes.

 

Outros medicamentos orais também podem ajudar a reduzir a glicemia em pessoas com diabetes tipo 2, como:

 

  • Inibidores da alfa-glicosidase, como a acarbose e o miglitol, que retardam a decomposição dos amidos em glicose após uma refeição e retardam o aumento dos níveis de açúcar no sangue
  • biguanidas, incluindo a metformina, que reduzem a produção de glicose no fígado e tornam o tecido muscular mais sensível à insulina para melhorar a absorção de glicose
  • sequestradores de ácidos biliares (BASs), que reduzem o colesterol e o açúcar no sangue e são seguros para pessoas que também têm problemas no fígado, já que não entram na corrente sanguínea
  • Inibidores da DPP-4, como a alogliptina, linagliptina e saxagliptina, que ajudam a melhorar a ligação da glicose ao sangue sem causar baixa de açúcar no sangue
  • meglitinidas, como nateglinida e repaglinida, que estimulam a liberação de insulina, mas podem causar baixa taxa de açúcar no sangue
  • Inibidores de SGLT2, como a canagliflozina e a dapagliflozina, que ajudam a bloquear a reabsorção de glicose nos rins, resultando em açúcares eliminados pela urina
  • sulfonilureias, incluindo glimepirida, glipizida e clorpropamida, que estimulam a liberação de insulina no pâncreas
  • tiazolidinedionas, ou TZDs, como rosiglitazona e pioglitazona, que melhoram a função da insulina na gordura e no músculo e retardam a produção de glicose no fígado
  • Os agonistas do GLP-1 – incluindo albiglutido, dulaglutido, exenatido, liraglutido, lixisenatida e semaglutida – podem ajudar na perda de peso e alguns diminuem os eventos cardiovasculares

Alguns medicamentos reduzem muito o açúcar no sangue e causam hipoglicemia, ou baixa excessiva de açúcar no sangue, se uma pessoa os toma fora do horário das refeições. Fale com seu médico e avalie o risco deste e de outros efeitos colaterais.

 

Um médico pode prescrever uma combinação desses medicamentos, se apenas um não estiver tendo o efeito desejado sobre a glicose no sangue. Nem todas essas drogas interagem umas com as outras, pois causam impacto em diferentes funções do corpo.

 

Certos medicamentos requerem uma injeção, como os agonistas do receptor GLP-1, que reduzem a produção de glicose no fígado e aumentam a produção de insulina.

 

Uma pessoa deve também injetar análogo de amilina, que um médico prescreveria para uso junto com as refeições para retardar o movimento dos alimentos através do intestino e controlar os níveis de glicose após a ingestão.

Banner para produtos indicados e livros digitais gratuitos
3 passos para controlar a diabetes

Diabetes: tratamentos menos comuns

Alguns tratamentos mais novos e mais experimentais demonstraram um efeito positivo na glicemia e na diabetes.

 

Cirurgia bariátrica: Também conhecida como cirurgia para perda de peso, isso pode ajudar as pessoas com obesidade e diabetes tipo 2 a recuperar os níveis normais de glicose no sangue

 

A pesquisa também sugere que este tipo de cirurgia pode apoiar pessoas com diabetes tipo 1 no controle da glicemia.

 

Pâncreas artificial: Um pâncreas artificial, conhecido como sistema híbrido de circuito fechado, substitui a monitoração da glicose e as injeções de insulina, medindo os níveis de açúcar no sangue a cada cinco minutos e administrando automaticamente as doses adequadas de insulina e glucagon.

 

O monitoramento remoto por profissionais médicos ou pais e cuidadores também é possível para garantir que o sistema continue funcionando.

 

A hora das refeições ainda requer um ajuste manual da quantidade de insulina, mas pode permitir que as pessoas com diabetes durmam a noite toda sem acordar para testar a glicose no sangue ou reduzir a glicose usando remédios.

 

Transplante de ilhotas pancreáticas: ilhotas são aglomerados de células que produzem insulina. O sistema imunológico de uma pessoa com diabetes tipo 1 ataca estas células.

 

O transplante leva ilhotas de um pâncreas funcional doado e substitui ilhotas destruídas em uma pessoa com diabetes tipo 1.

 

Este é um tratamento experimental que só está disponível através de inscrição em estudos de pesquisa.

 

Muitos planos de saúde não cobrem tratamentos de perda de peso ou métodos experimentais, portanto fale com seu agente antes de passar por esses procedimentos. Os resultados variam e geralmente dependem de se a pessoa com diabetes toma insulina, há quanto tempo ela tem diabetes e a extensão da perda de peso.

 

Diabetes: tratamento através de exercícios

A atividade física é vital para o uso da glicose no corpo e torna os músculos mais sensíveis à insulina.

 

A Associação Americana de Diabetes recomenda 30 minutos de exercícios moderados a vigorosos em pelo menos 5 dias da semana.

 

O exercício pode ajudar a reverter a diabetes em seus estágios iniciais e evitar complicações relacionadas ao coração em manifestações mais graves.

 

O exercício é fundamental para o controle da diabetes.

 

O exercício aeróbico pode apoiar o controle de peso, reduzir a glicose no sangue e melhorar o uso de insulina no corpo.

 

Exemplos incluem:

 

  • caminhadas rápidas ou longas caminhadas
  • ciclismo, seja ao ar livre ou usando uma máquina
  • dança
  • aeróbica aquática ou aulas de aeróbica de baixo impacto
  • natação
  • subir as escadas
  • jardinagem

O treinamento de força também é importante, pois melhora o acúmulo de músculos e aumenta a quantidade de glicose que o corpo queima enquanto está em repouso.

 

Atividades que podem melhorar a força muscular incluem:

 

  • levantar pesos, usando máquinas, pesos livres ou objetos domésticos
  • bandas (tiras) de resistência
  • agachamentos e flexões
  • atividades que envolvem grande esforço, como jardinagem

Se um médico encontrar cetonas na urina, isso significa que o corpo está queimando gordura em vez de glicose. O excesso de cetonas pode ser extremamente perigoso, pois o corpo não consegue lidar com altos níveis desse produto residual.

 

Não faça exercícios se as cetonas se tornarem presentes na urina.

prato low carb é uma boa opção para a dieta para diabéticos
Alimentação saudável é fundamental para controlar a diabetes

Dieta é fundamental para o tratamento da diabetes

Uma pessoa com diabetes ainda pode comer os alimentos de que gosta, com menos frequência ou em pequenas porções.

 

Siga o conselho de um médico ou nutricionista, faça um plano de refeições variadas que inclua alimentos de todos os grupos e siga os valores recomendados. Nossa sugestão de cardápio inclui o livro digital 500 Receitas para Diabéticos, que traz centenas de receitas especialmente formuladas para diabéticos. Para saber mais, clique aqui.

 

Algumas pessoas com diabetes devem comer à mesma hora todos os dias, enquanto outras têm um pouco mais de flexibilidade quando se trata do horário das refeições. O tamanho da porção também é muito importante em pessoas com diabetes. Fale com um nutricionista sobre a melhor maneira de gerenciar isso. 

 

A seguir estão algumas das melhores opções em cada grupo de alimentos para pessoas com diabetes.

 

Legumes

Vegetais sem amido são bons para consumir, incluindo:

 

  • brócolis
  • cenouras
  • tomates
  • pimentas
  • verdes folhosos, como couve
  • vagem

 

Frutas

Desconfie de frutas com alto teor de açúcar, como a melancia, mas quantidades moderadas das seguintes frutas têm grandes benefícios nutricionais para pessoas com diabetes:

 

  • laranjas
  • bagas
  • melão
  • maçãs
  • uvas
  • bananas

 

Grãos

Os cereais integrais devem perfazer pelo menos metade de todos os grãos na dieta de uma pessoa com diabetes, incluindo:

 

  • aveia
  • cevada
  • quinoa
  • arroz integral
  • trigo integral

Certos alimentos também podem ser consumidos a partir de produtos integrais, incluindo pão, macarrão e cereais em quantidades moderadas.

 

Proteínas

Proteínas magras e com pouca gordura podem ajudar a construir massa muscular sem aumentar os níveis de gordura e glicose, como:

 

  • saladas saudáveis
  • vegetais verdes
  • ovos
  • carne magra ou porco
  • peixe
  • frango sem pele ou peru
  • amendoim e nozes
  • feijões secos
  • grão de bico ou ervilhas
  • alternativas de carne, como tofu

 

Laticínios

Consumir apenas queijo, leite e iogurte com baixo teor de gordura ou sem gordura.

 

Alimentos com gorduras saudáveis ​​para o coração

Nem toda gordura contribui para a diabetes, e alguns tipos de gordura ajudam a proteger contra seus efeitos no coração, incluindo:

 

  • sementes e nozes
  • salmão, atum e cavala
  • abacate
  • azeite extra virgem e óleo de canola

 

Alimentos para evitar

Uma dieta para diabetes deve excluir:

 

  • comidas fritas
  • alimentos salgados, como batatas fritas
  • alimentos açucarados, incluindo doces, sorvetes e bolos
  • bebidas que contenham açúcar adicionado, como refrigerantes e bebidas energéticas

 

A água deve substituir as bebidas açucaradas. Troque o açúcar em qualquer café ou chá por adoçantes artificiais, como a estévia ou xilitol. As mulheres não devem beber mais do que uma bebida alcoólica em qualquer dia, e os homens devem limitar a ingestão de álcool a um máximo de duas bebidas.

 

O álcool pode reduzir os níveis de glicose no sangue para as pessoas que estão tomando insulina, aumentando o risco de hipoglicemia. Comer ao beber álcool pode reduzir o risco.

 

Visão geral

Uma pessoa com diabetes em seus estágios iniciais pode reverter a glicose alta usando exercícios regulares, moderados a intensos, perda de peso e uma dieta balanceada e com pouco açúcar.

 

Quando a diabetes se desenvolve completamente, torna-se incurável, mas uma gama de opções está disponível para gerenciar seus efeitos.

 

Estes incluem insulina, que as pessoas comumente injetam usando uma agulha e seringa ou caneta, e uma variedade de medicamentos para controlar o açúcar no sangue e melhorar a absorção e produção de insulina.

 

Cirurgias também estão disponíveis, como a cirurgia bariátrica e pâncreas artificial. No entanto, estes são o último recurso e muitas vezes não estão incluídos na cobertura dos planos de saúde.

 

Manter uma dieta saudável e exercícios regulares são fundamentais em qualquer estágio da diabetes. 

Banner para produtos indicados e livros digitais gratuitos
3 passos para controlar a diabetes

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *