O QUE A DIABETES CAUSA?

diabetes pode causar problemas no sistema circulatório e cardiopatias

Tipos de diabetes | Endócrino e digestivo | Renal | Circulatório | Pele | Sistema nervoso | Reprodutivo

Quando você ouve a palavra “diabetes”, seu primeiro pensamento é sobre o alto nível de açúcar no sangue. O açúcar no sangue é um componente frequentemente subestimado da sua saúde. Quando está fora de controle por um longo período de tempo, pode evoluir para diabetes. A diabetes afeta a capacidade do seu corpo de produzir ou usar insulina, um hormônio que permite que seu corpo transforme a glicose (açúcar) em energia.

 

Veja quais sintomas podem ocorrer em seu corpo quando a diabetes entra em ação.

 

Diabetes pode ser gerenciada de forma eficaz quando detectada cedo. No entanto, quando não tratada, pode levar a potenciais complicações que incluem doenças cardíacas, acidente vascular cerebral, danos nos rins e danos nos nervos.

 

Normalmente, depois de comer ou beber, seu corpo vai quebrar os açúcares de sua comida e usá-los para a energia em suas células. Para conseguir isso, seu pâncreas precisa produzir um hormônio chamado insulina. A insulina é o que facilita o processo de sugar o açúcar do sangue e colocá-lo nas células para uso ou energia.

 

Se você tem diabetes, seu pâncreas produz pouca insulina ou nenhuma. A insulina não pode ser usada de forma eficaz. Isso permite que os níveis de glicose no sangue subam, enquanto o resto de suas células são privadas de energia muito necessária. Isso pode levar a uma ampla variedade de problemas que afetam quase todos os principais sistemas corporais.

 

Tipos de diabetes

Os efeitos do diabetes no seu corpo também dependem do tipo que você tem. Existem dois tipos principais de diabetes: tipo 1 e tipo 2.

 

O tipo 1, também chamado de diabetes juvenil ou diabetes insulino-dependente, é um distúrbio do sistema imunológico. Seu próprio sistema imunológico ataca as células produtoras de insulina no pâncreas, destruindo a capacidade do seu corpo de produzir insulina. Com diabetes tipo 1, você deve tomar insulina para viver. A maioria das pessoas é diagnosticada como criança ou jovem adulto.

 

O tipo 2 está relacionado à resistência à insulina. Costumava ocorrer em populações mais velhas, mas agora cada vez mais populações mais jovens estão sendo diagnosticadas com diabetes tipo 2. Isso é resultado de hábitos de estilo de vida, dieta e exercício precários.

 

Com diabetes tipo 2, seu pâncreas para de usar insulina de forma eficaz. Isso causa problemas por seu corpo não ser capaz de sugar o açúcar do sangue e colocá-lo nas células para obter energia. Eventualmente, isso pode levar à necessidade de medicação de insulina.

 

Fases anteriores, como pré-diabetes, podem ser administradas com dieta, exercício e monitoramento cuidadoso do açúcar no sangue. Isso também pode impedir o desenvolvimento completo da diabetes tipo 2. Diabetes pode ser controlada. Em alguns casos, pode até entrar em remissão se forem feitas as devidas mudanças de estilo de vida.

 

A diabetes gestacional é o alto nível de açúcar no sangue que se desenvolve durante a gravidez. Na maioria das vezes, você pode controlar a diabetes gestacional através de dieta e exercícios. Também geralmente se resolve depois de dar à luz. A diabetes gestacional pode aumentar o risco de complicações durante a gravidez. Também pode aumentar o risco de desenvolvimento de diabetes tipo 2 mais tarde na vida da mãe e da criança.

Banner para produtos indicados e livros digitais gratuitos

Sistemas endócrino, excretor e digestivo

Se seu pâncreas produz pouca ou nenhuma insulina – ou se seu corpo não pode usá-lo – hormônios alternativos são usados ​​para transformar gordura em energia. Isso pode criar altos níveis de substâncias químicas tóxicas, incluindo ácidos e corpos cetônicos, o que pode levar a uma condição chamada cetoacidose diabética. Esta é uma complicação grave da doença. Os sintomas incluem sede extrema, micção excessiva e fadiga.

 

Sua respiração pode ter um aroma doce que é causado pelos níveis elevados de corpos cetônicos no sangue. Altos níveis de açúcar no sangue e excesso de cetonas na urina podem confirmar a cetoacidose diabética. Se não for tratada, esta condição pode levar à perda de consciência ou mesmo à morte.

 

A síndrome hiperosmolar hiperglicêmica diabética (SHH) ocorre na diabetes tipo 2. Envolve níveis muito elevados de glicose no sangue, mas não cetonas. Você pode ficar desidratado com essa condição. Você pode até perder a consciência. O SHH é mais comum em pessoas cuja diabetes não é diagnosticada ou que não conseguiram controlar a diabetes. Também pode ser causada por um ataque cardíaco, derrame ou infecção.

 

Níveis elevados de glicose no sangue podem causar gastroparesia – quando é difícil para o estômago esvaziar-se completamente. Esse atraso pode elevar os níveis de glicose no sangue. Como resultado, você também pode sentir náuseas, vômitos, inchaço e azia.

 

Danos nos rins

Diabetes também pode danificar seus rins e afetar sua capacidade de filtrar os resíduos do seu sangue. Se o seu médico detectar microalbuminúria ou quantidades elevadas de proteína na urina, pode ser um sinal de que os rins não estão funcionando adequadamente.

 

A doença renal relacionada à diabetes é chamada de nefropatia diabética. Esta condição não mostra sintomas até seus estágios posteriores. Se você tem diabetes, seu médico irá avaliar sua nefropatia para ajudar a prevenir danos renais irreversíveis ou insuficiência renal.

 

Sistema circulatório

Diabetes aumenta o risco de desenvolver pressão alta, o que coloca mais pressão sobre o coração. Quando você tem níveis elevados de glicose no sangue, isso pode contribuir para a formação de depósitos de gordura nas paredes dos vasos sanguíneos. Com o tempo, pode restringir o fluxo sanguíneo e aumentar o risco de aterosclerose ou endurecimento dos vasos sanguíneos.

 

De acordo com o Instituto Nacional de Diabetes e Doenças Digestivas e Renais, a diabetes duplica o risco de doença cardíaca e derrame. Além de monitorar e controlar sua glicose no sangue, bons hábitos alimentares e exercícios regulares podem ajudar a diminuir o risco de pressão alta e altos níveis de colesterol.

 

Você também deve considerar parar de fumar se estiver em risco de diabetes. Diabetes e tabagismo são uma mistura muito ruim. Aumenta o risco de problemas cardiovasculares e restringe o fluxo sanguíneo.

a diabetes provica danos no sistema nervoso e nas extremidades

A falta de fluxo sanguíneo pode afetar suas mãos e pés e causar dor enquanto você está andando. Isso é chamado de claudicação intermitente. Os vasos sanguíneos estreitados nas pernas e pés também podem causar problemas nessas áreas. Por exemplo, seus pés podem sentir frio ou você pode ser incapaz de sentir calor devido à falta de sensação. Esta condição é conhecida como neuropatia periférica, que é um tipo de neuropatia diabética que causa diminuição da sensibilidade nas extremidades. É particularmente perigoso porque pode impedir que você perceba uma lesão ou infecção.

 

Diabetes também aumenta o risco de desenvolver infecções ou úlceras do pé. O fluxo sanguíneo deficiente e os danos nos nervos aumentam a probabilidade de ter um pé ou perna amputados. Se você tem diabetes, é essencial cuidar bem dos pés e inspecioná-los com frequência.

 

Sistema tegumentar (pele)

Diabetes também pode afetar sua pele, o maior órgão do seu corpo. Junto com a desidratação, a falta de umidade do corpo devido ao alto nível de açúcar no sangue pode fazer com que a pele dos pés seque e quebre. É importante secar completamente os pés depois de tomar banho ou nadar. Você pode usar vaselina ou cremes suaves, mas evite deixar essas áreas muito úmidas.

 

Dobras úmidas e quentes na pele são suscetíveis a infecções fúngicas, bacterianas ou fúngicas. Estes tendem a se desenvolver entre os dedos das mãos e dos pés, na virilha, nas axilas ou nos cantos da boca. Os sintomas incluem vermelhidão, bolhas e coceira.

 

Manchas de alta pressão sob o pé podem levar a calosidades. Estes podem se infectar ou desenvolver úlceras. Se tiver uma úlcera, consulte o seu médico imediatamente para reduzir o risco de perder o pé. Você também pode ser mais propenso a furúnculos, foliculite (infecção dos folículos pilosos), cravos e unhas infectadas.

 

Diabetes não gerenciada também pode levar a três condições de pele:

 

  • xantomatose eruptiva, que provoca colisões amarelas duras com um anel vermelho
  • esclerose digital, que causa pele espessa, mais frequentemente nas mãos ou pés
  • dermopatia diabética, que pode causar manchas marrons na pele

Para a dermopatia diabética, não há motivo para preocupação e nenhum tratamento é necessário.

 

Essas condições de pele geralmente desaparecem quando você mantém seu nível de açúcar no sangue sob controle.

Banner para produtos indicados e livros digitais gratuitos

Sistema nervoso central

Diabetes provoca neuropatia diabética ou danos aos nervos. Isso pode afetar sua percepção de calor, frio e dor. Também pode torná-lo mais suscetível a lesões. As chances de você não perceber esses ferimentos e deixá-los evoluir para infecções graves também aumentam.

 

A diabetes também pode levar a vasos sanguíneos inchados e a vazamentos nos olhos, chamados de retinopatia diabética. Isso pode prejudicar sua visão. Pode até levar à cegueira. Os sintomas de problemas oculares podem ser leves no início, por isso é importante consultar seu oftalmologista regularmente.

 

Sistema reprodutivo

A mudança dos hormônios durante a gravidez pode causar diabetes gestacional e, por sua vez, aumenta o risco de hipertensão arterial. Existem dois tipos de condições de pressão arterial elevada para as mulheres grávidas a tomar cuidado, pré-eclâmpsia ou eclâmpsia.

 

Na maioria dos casos, a diabetes gestacional é facilmente controlada e os níveis de glicose retornam ao normal após o nascimento do bebê. Os sintomas são semelhantes a outros tipos de diabetes, mas também podem incluir infecções repetidas que afetam a vagina e a bexiga.

 

Se você desenvolver diabetes gestacional, seu bebê pode ter um peso maior ao nascer. Isso pode tornar a entrega mais complicada. Você também corre um risco maior de desenvolver diabetes tipo 2 vários anos após o parto do seu bebê.

 

Em homens a diabetes pode levar à impotência ou disfunção erétil. Para saber mais veja este artigo da Sociedade Brasileira de Diabetes: impotência, uma consequência pouco conhecida da diabetes.

Banner para produtos indicados e livros digitais gratuitos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *